Clipping
URGENTE! Bolsonaro quer fim do 13º e férias (Sexta, 28 Setembro 2018 17:23)
Promoção especial do Dia das Crianças (Quarta, 15 Agosto 2018 09:57)
Jaldo Ferreira Gomes

Jaldo Ferreira Gomes

Jaldo Ferreira Gomes é diretor do Sindicomerciários/ES

Quinta, 05 Abril 2018 17:14

Não acredite em tudo que lê. A frase tão batida ainda é o melhor conselho para quem usa o WhatsApp e o Facebook com frequência. Atualmente, as duas plataformas digitais são as que mais propagam notícias e informações falsas, as chamadas ‘fake news’. Só no Brasil 100 milhões de usuários estão expostos as mais diferentes postagens maliciosas e de má-fé, que tem por intuito confundir, alarmar e até criar pânico na população. As notícias fake não tão antigas quanto a própria imprensa, que as publica por equívoco ou mesmo intencionalmente. Acontece que a internet, em particular as redes sociais, elevou o problema à enésima potência, na medida em que a sua lógica de monetização dos conteúdos publicados se dá pelo volume de "cliques", o que levou à criação de sites ou perfis dedicados exclusivamente a mentir ou distorcer informações. 

O termo se popularizou graças ao presidente Donald Trump,  cuja divulgação de notícias mentirosas foi central para sua vitória, no ano passado. No Brasil, o filho do ex-presidente Lula se transformou no dono do frigorífico JBS. A ex-presidente Dilma Rousseff tentou o suicídio ao se ver encurralada pelo impeachment. O delator Alberto Yousseff foi encontrado morto na véspera das eleições de 2014. O juiz Sérgio Moro é filiado ao PSDB. E os tucanos planejavam acabar com o Bolsa Família. Tudo notícia falsa. Fake news que poluíram as redes sociais e aplicativos.

Mais recentemente, a comoção causada pela execução da vereadora do Psol Marielle Franco e de seu motorista Anderson Pedro Gomes levou milhares de brasileiros às ruas, em atos massivos e espontâneos no Brasil e protestos fora do País. No mundo digital, o alcance do episódio também foi enorme e surpreendeu, inclusive, quem atua na área. Se a propagação da imagem de Marielle como liderança crítica às forças de segurança foi enorme, o contra-ataque também foi intenso, numa tentativa de desqualificar a trajetória militante da vereadora morta. Desde que descobriram o valor das redes sociais como instrumento da disputa política, por volta de 2013, os reacionários raramente haviam sofrido uma derrota tão fragorosa na batalha da opinião. Foi uma espécie de 7 a 1 a favor da solidariedade.

Logo no dia seguinte ao assassinato começaram a circular pelo WhatsApp áudios e fotos falsos que tentavam associar a vereadora ao crime organizado. Segundo essas fake news, Marielle teria sido casada com o traficante Marcinho VP. Na sexta-feira 16, o deputado demista Alberto Fraga, expoente da bancada da bala, deu vazão às mentiras. Em sua conta no Twitter, escreveu que a parlamentar era usuária de drogas, ex-esposa de Marcinho VP e eleita pelo Comando Vermelho.  A desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, endossou a mentira, que tem um histórico de ofensas a minorias e a “comunistas”, embarcou. A magistrada anotou que Marielle estava “engajada com bandidos” e repetiu a versão de que ela teria sido eleita pelo Comando Vermelho.

As fake news assumirão o protagonismo nas eleições de outubro. Mais do que nunca elas representam uma ameaça pulsante para o destino político/democrático da nação. Caberá ao eleitor verificar a origem daquela notícia, post, mensagem ou imagem que está compartilhando nos mais diversos meios de comunicação hoje existentes. É hora de o cidadão trazer para si a responsabilidade de fiscalizar a fonte da informação que está em seu poder para não fazer das mídias sociais, o principal terreno onde são espalhadas as fake news, uma terra de ninguém; até porque o Tribunal Superior Eleitoral e as autoridades policiais têm plenas condições de encontrar o propagador das notícias, seja por meio do endereço IP do computador, seja através de convênios que estes órgãos possuem com as gigantes da internet.

Mais do que nunca é hora de o eleitor ter a consciência do poder que tem em suas mãos: é dele o voto que elegerá os representantes responsáveis pelo destino político do país e, também, é dele a incumbência de fazer uso responsável das informações que possui ou que tem acesso. Embora esta última hipótese represente um pequeno ato, em verdade, não é; pois, neste momento pré-eleitoral o uso responsável das informações se constitui num importante ato de cidadania.

Terça, 04 Julho 2017 19:46

Entre os ataques da reforma trabalhista em curso no Senado que alteram profundamente 120 artigos da CLT, retirando direitos históricos duramente lutados e conquistados pela classe trabalhadora, pelo menos cinco deles merecem destaques por seu alto grau de crueldade. Detalhe. São, apenas, cinco exemplos, entre os mais de cem. Leia:

1. Grávidas e lactantes poderão trabalhar em lugares insalubres. Se aprovada, a reforma permitirá que mulheres grávidas ou que estão amamentando trabalhem em lugares insalubres de grau médio e mínimo. Só ficará proibido o grau máximo. Nos locais insalubres, as trabalhadoras terão contato com produtos químicos, agentes biológicos, radiação, exposição ao calor, ambiente hospitalar de risco, frio intenso e outros.

2. Assédio moral e sexual será precificado de acordo com condição social da vítima. Caso esse crime seja cometido pelo patrão, a vítima será indenizada de acordo com o salário que ela recebe. As trabalhadoras que ganham menos ficarão mais vulneráveis. “Uma gerente que for assediada ganhará uma indenização maior do que uma secretária. Assim, sairá mais barato assediar as trabalhadoras do chão de fábrica”, explica a senadora Gleisi Hoffmann.

3. Mulheres deixarão de ter direito a descanso. A reforma revoga o artigo 384 da CLT. Na prática, acaba com o direito da mulher descansar 15 minutos, como previsto hoje, antes de começar uma jornada extraordinária, ou seja, a hora extra. No passado, o Superior Tribunal Federal (STF) decidiu que esse dispositivo é constitucional devido à dupla jornada de trabalho das mulheres.

4. Trabalho de 12 horas seguidas por dia. O governo quer aprovar uma medida que permita que o trabalhador possa ter jornada de 12 horas e descanso de 36 horas, quando a legislação brasileira hoje estabelece jornada máxima de 8 horas. Levando em conta que o patrão tem muito mais poder na hora de negociar, o trabalhador ficaria exposto a jornadas exaustivas que podem comprometer sua saúde.

5. Trabalho intermitente. Nesse tipo de trabalho o empregado não tem vínculo com a empresa, nem horário certo, mas fica a disposição do patrão 24h por dia e só recebe as horas trabalhadas. Funciona assim: quando a empresa chamar, a pessoa trabalha 4h. Se não voltar a chamar o trabalhador só receberá por essas 4h. E se ela não quiser mais os serviços não haverá rescisão de contrato, férias, décimo terceiro. Sindicatos classificam essa jornada como a "escravidão do século 21".

É por essas e outras que a classe trabalhadora deve se mobilizar e não baixar guarda. É preciso ser combativo e pressionar os parlamentares de seu estado.

Quarta, 30 Novembro 2016 22:23

Desprovido de um mínimo de decência ética e compaixão humana, senadores da base aliada e o próprio presidente ilegítimo, Michel Temer, utilizaram da comoção nacional provocada pela tragédia envolvendo o time da Chapecoense para tentar desviar o foco da sociedade brasileira e aprovaram, em primeiro turno, a toque de caixa e na calada da noite, como vampiros que sugam o sangue do trabalhador, a PEC que limita os gastos públicos. A matéria ainda será submetida a uma segunda votação.

Já no gabinete do presidente usurpador Michel Temer, também na terça-feira, em que o país se rendia em condolência e solidariedade às famílias e vítimas do acidente do time catarinense, era sancionada a lei que desobriga a Petrobrás de participar de todos os consórcios do pré-sal e altera regras de exploração de petróleo na camada (localizada entre 5 mil e 7 mil metros abaixo do nível do mar).

Na prática, a abertura escancara as jazidas de petróleo das camadas do pré-sal para a livre exploração das gigantes multinacionais do estrangeiras, que irão sugar todas as nossas riquezas e enviar para seus países sede, deixando para o Brasil apenas bagaço, desemprego e miséria.

Voltando à PEC 55, sua discussão está sendo conduzida à margem da maioria da população brasileira, e os mais pobres – que mais precisam dos serviços do Estado – vão pagar a conta desse ajuste, já que o governo não terá espaço de manobra para aumentar os gastos em serviços básicos como saúde e educação no momento em que a economia voltar a crescer.

Com a votação em primeiro turno no Senado, e se ela se mantiver em segundo turno, os congressistas estão alterando os dispositivos constitucionais de 1988 em um país extremamente desigual e no qual o poder público deveria ter justamente um papel contrário: o de adotar medidas redistributivas para ampliar os direitos e melhorar as condições de vida da população.

Com a crise econômica, os brasileiros estão usando mais os serviços públicos, e o recado que a PEC dá é que existe uma conta alta a ser paga e quem vai arcar com o custo dela é a população mais pobre. É uma política distributiva com sinal invertido e com um resultado previsível: a ampliação das desigualdades sociais no país.

Não à PEC 55!!!

Quinta, 03 Setembro 2015 19:01

No dia 28 de agosto de 2015, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) completou 32 anos. Fundada em meio à efervescência da luta por democracia, a entidade foi protagonista na queda da ditadura militar, com milhares de trabalhadores organizados indo às ruas contra o governo. Foi durante o 1º Congresso Nacional da Classe Trabalhadora (Conclat), em São Bernardo do Campo, em São Paulo, que a CUT foi criada. Intensas discussões marcaram a formação da primeira Executiva, que culminou com a nomeação do metalúrgico Jair Meneguelli como primeiro presidente da Central.

A CUT se consagrou como a grande representante da classe trabalhadora brasileira, tornando-se a maior central do Brasil e da América Latina e a quinta do mundo. Com quase quatro mil entidades filiadas, a CUT representa mais de 24 milhões de trabalhadores e trabalhadoras em todo o País.

Durante seus 32 anos, a CUT teve seis presidentes, à frente de inúmeras conquistas à classe trabalhadora brasileira: Jair Meneguelli (1983-1994), Vicentinho (1994-2000), João Felício (2000-2003) e (2005-2006), Luiz Marinho (2003 - 2005), Artur Henrique (2006 - 2012) e Vagner Freitas (2012).

Nos últimos anos, a CUT tem se destacado pela atual disputa política, nas ruas, em defesa da democracia e da manutenção e ampliação dos direitos sociais. A Central tem sido protagonista na convocação e realização de atos nacionais para se contrapor à maior onda reacionária vista no Brasil desde a redemocratização.

Faz parte dessa onda a pauta reacionária do atual Congresso Nacional. A Central combateu o projeto de terceirização sem limites de diversas formas, conseguindo que o Senado, onde a proposta será analisada, se colocasse majoritariamente contra a ideia. A resistência se intensifica à medida que a pauta do retrocesso sai da toca e apresenta projetos como redução da maioridade penal e a recém-apresentada Agenda Brasil, restritiva à classe trabalhadora.

Entre as conquistas para o trabalhador, a CUT registra neste período a isenção de imposto de renda para a participação nos lucros e resultados (PLR) recebida pelos trabalhadores, a manutenção da correção da tabela do imposto de renda e a continuidade da política nacional de valorização do salário mínimo.

Espírito Santo – Aqui no estado, a categoria comerciária é parte ativa na história da Central. Nos últimos três quadriênios a entidade foi presidida pelo atual deputado estadual e diretor do Sindicomerciários, José Carlos Nunes. No mais recente congresso estadual da Central, realizado de 28 a 30 de agosto, os atuais diretores do Sindicato, Jaldo Gomes e Jemima Jayra foram eleitos para a diretoria. O primeiro, como efetivo do Conselho Fiscal. A segunda, na composição do pleno.

Terça, 03 Fevereiro 2015 18:21

A questão da água potável constitui um dos maiores problemas da humanidade, tão grave quanto o aquecimento global. O problema nem chega a ser de fato a escassez de água, mas sua má gestão para atender as demandas humanas e dos outros seres vivos da natureza. O Brasil é a potência natural das águas, com 13% de toda água doce do Planeta perfazendo 5,4 trilhões de metros cúbicos. Apesar da abundância, 46% dela é desperdiçada, o que daria para abastecer toda a França, a Bélgica, Suíça e o Norte da Itália.

Sem água de boa qualidade não existe futuro para os núcleos sociais, sejam eles rurais ou urbanos. Como a água é um elemento fundamental para a vida, não é possível argumentar sobre qualidade de vida quando os recursos hídricos estão comprometidos. Se quisermos projetar um futuro melhor para as próximas gerações, precisamos necessariamente priorizar o tema “água” — no contexto social, econômico ou político. Aqui no Estado a cada dia sem chuva a situação tem piorado. Estamos vivenciando a pior seca dos últimos 40 anos, já são mais de 50 dias sem chuva, e a previsão não é das melhores.

Se não voltar a chover, e, logo, podemos enfrentar um drama muito maior. Velhos hábitos estão em processo de mudança há pelo menos duas semanas, quando a população capixaba descobriu estar imersa numa crise hídrica sem precedentes. Em tempos de estiagem e altas temperaturas, usar e abusar da água tornou-se inconcebível. Diante do drama do racionamento que já bate à porta, vale tudo, desde simples atitudes, como diminuir o tempo debaixo do chuveiro, até ações mais sofisticadas, como instalar equipamentos inteligentes e econômicos em vasos sanitários e torneiras.

A consciência fala mais alto, pois não é mais possível desperdiçar o líquido mais precioso do momento. Por ser um bem cada vez mais raro, ela é objeto da cobiça daqueles que querem fazer dinheiro com ela. Por isso nota-se uma corrida mundial para a privatização da água. E então surge o dilema: a água é fonte de vida ou fonte de lucro? É um bem natural, vital insubstituível ou um bem econômico e uma mercadoria? Os que apenas visam lucro, tratam a água como mercadoria e no máximo como recurso hídrico.

Os que dão centralidade à vida, como a maior criação do universo e o supremo dom de Deus, a vêem como bem essencial aos seres humanos e a todos os organismos vivos. A água tem imenso valor mas não tem preço. Por ser desigualmente distribuída na natureza, o direito de todos à água demanda um ética da solidariedade na sua distribuição.

E para que não haja desperdício precisamos de uma ética da responsabilidade; o que jogamos fora fará falta a outros. Se houver cuidado, solidariedade e responsabilidade a Terra será generosa e garantirá água abundante para todos e de qualidade

Sexta, 19 Setembro 2014 17:27

A candidata Marina Silva, do PSB, enfiou as mãos em mais um vespeiro popular. Depois de questionar a prioridade dada pelo governo à exploração do pré-sal e reafirmar, por meio do coordenador Walter Feldman, que pretende mudar o modelo de partilha do petróleo brasileiro em benefício das empresas estrangeiras, agora ela escolheu um novo alvo: a CLT – Consolidação das Leis Trabalhistas. "Vamos fazer uma atualização das leis trabalhistas", disse Marina, aos micro e pequenos empresários. Ela não deixou claro, porém, qual será o sentido da mudança em caso de se eleger presidente. "Ainda não temos essa resposta, esse assunto é muito complexo", completou ela.

Marina fez sua promessa de atualizar a CLT num contexto de reclamações dos pequenos empreendedores sobre dificuldades para a contratação de mão de obra. A candidata se comprometeu, então, a trabalhar pela alteração das atuais normas trabalhistas. Este ano, entre janeiro e agosto, o País registrou a criação de 701 mil vagas com carteira de trabalho assinada, dentro da legislação atual. “Culpa” do governo Dilma.

Após prometer a "atualização" da CLT, citando "o professor Gianetti" como inspiração, a candidata reconheceu que ainda não faz ideia do que pretende fazer sobre o assunto em caso de chegar ao governo. Pela cartilha do economista Eduardo Gianetti da Fonseca, que vai assumindo o posto de chefe da equipe econômica de Marina, sabe-se que garantias trabalhistas são vistas como entraves para o desenvolvimento do País. Os empreendedores que ouviram Marina ficaram com a impressão de que, para um lado ou para o outro, a CLT não será a mesma caso a candidata do PSB vença a corrida eleitoral.

Terça, 21 Janeiro 2014 23:36

Domingo, não! Domingo é sagrado! Quantas vezes você já ouviu essa expressão: “Domingo é sagrado”. Domingo é dia de descanso. De ir à Igreja, de louvar ao Senhor, de cinema, de passeio, de praia, de futebol, de soltar pipa, de namorar, de almoço em família, de churrasco, de celebração, de pagode, de bicicleta, de pescaria, de cervejinha, de televisão. Domingo é dia de tudo. Menos de trabalho.

Pode parecer mentira, mas para os milhões de comerciários de nosso país e aqui mesmo do Estado, nos últimos dez anos domingo tem sido sinônimo de trabalho. E trabalho duro.

E você não imagina o prejuízo que esse dia a mais de trabalho causa na vida de cada comerciário e comerciário. O estrago que essa obrigação provoca na relação desse trabalhador com sua família, seus parentes e amigos.

Coloque-se nessa situação e imagine-se trabalhando no domingo. Sem tempo de dedicar-se aos filhos, aos pais. Tendo que abrir mão da Igreja ou mesmo de uma esticada na noite de sábado.

Mais que isso. Imagine a seguinte cena: seu filho depois de passar a semana inteira em uma sala de aula, sem a sua companhia no domingo, porque você está a todo o vapor seja em um supermercado ou em um shopping.

Quem trabalha aos domingos, como os comerciários e as comerciarias, tornam-se escravos do trabalho. E sem ganhar um real a mais por isso. Isso porque no comércio o trabalho aos domingos não veio acompanhado de nenhum direito. Pelo contrário, ao estabelecer a compensação simples da jornada de trabalho, retirou-se o adicional de hora extra e o direito do repouso semanal remunerado aos domingos.

Além disso, os comerciários que trabalham nesses dias não recebem horas-extras, vale-refeição e vale-transporte. Mais do que isso, não têm nenhum direito trabalhista específico, já que este é considerado um dia normal de trabalho. Se esse comerciário recusa-se a trabalhar, é demitido.

Para o consumidor, o cliente do comércio, dos shoppings e dos supermercados, a abertura do comércio aos domingos pode ser até mais cômoda. Mas não queremos nos dirigir a você, consumidor e cliente. Queremos nos dirigir a você pai e mãe com filhos para cuidar. Com casa para arrumar. Com vida social. Com obrigação religiosa. Com direito a ir ao cinema como todo o ser humano. Ir à praia como qualquer um. Trocar idéias com os amigos, almoçar na casa dos pais.