Artigos

Artigos (73)

Segunda, Mar 18 2019

Marielle

Escrito por Publicado em Artigos

A vereadora do Rio de Janeiro Marielle e seu motorista Anderson foram barbaramente assassinados há um ano.

Marielle era uma favelada do Complexo da Maré, no Rio, que lutou muito até conseguir cursar a faculdade de Ciências Sociais em uma conceituada Universidade do Rio. Conseguiu uma bolsa para poder manter seus estudos. 

Em sua trajetória, defendeu os direitos dos mais pobres, das mulheres, sobretudo da população negra.

Teve a coragem e a ousadia de peitar o tráfico miliciano e por ele foi assassinada. 

Marielle é um símbolo de luta e resistência. 

Da capacidade dos mais humildes chegarem ao poder e fazer valer as justas reivindicações das populações de baixa renda. 

Mas parece que o nosso país não admite que os mais pobres subam na vida e cheguem ao poder. 

O poder historicamente no Brasil foi destinado aos brancos ricos ou de classe média, de cabelos lisos e olhos claros. 

Marielle nos provou que essa característica histórica não é determinista. Que podemos mudá-la. 

Marielle morreu mas suas ideias e capacidade de luta germinaram e germinam em todos os cantos do país. 

Podem assassinar quantas Marielles puderem. Mas outras tantas nasceram.

Os executores de Marielle e Anderson já foram presos. Falta, agora, conhecer - e prender - os mandantes. 

Quem determinou que aqueles milicianos puxassem o gatilho de suas armas. 

Marielle não morreu.

Marielle vive dentro de cada trabalhador e trabalhadora marginalizados!

Segunda, Mar 18 2019

A reforma da trabalhista do presidente Bolsonaro, em tramitação no Congresso, é o tiro de misericórdia nos direitos dos trabalhadores.

Não se trata aqui se A ou B gostam ou não do presidente Bolsonaro. A discussão não é essa. 

O que está em cheque é o futuro do trabalhador. 

O presente já foi tratorado pela reforma trabalhista do Temer. O futuro é uma incógnita, caso a Reforma da Previdência seja aprovada.

Homens e mulheres levarão anos para se aposentar. Isso, se conseguirem se aposentar.

O comerciário será fortemente prejudicado. Devido a alta rotatividade do comércio, será muito difícil atingir o tempo de serviço necessário para se aposentar. 

Sem contar as mulheres, já penalizada com a extenuante jornada doméstica, terão o tempo de aposentadoria ainda mais elevado.

Por outro lado, políticos, militares e os altos funcionários públicos não serão seriamente atingidos.

Quem irá pagar a conta de suas aposentadorias seremos nós, os trabalhadores, o povo.

Que a reforma trabalhista tenha nos servido de lição. 

Não dá para ficar parado vendo os poderosos pressionarem os parlamentares e nós aqui fazendo cara de paisagem como se nada nos dissesse respeito.

Trata-se de mais urgente do que nunca estarmos juntos ao Sindicato. Nos sindicalizarmos para fortalecer nossa entidade de luta e participar da vida da entidade.

Isolados, nem o Sindicato nem os trabalhadores conseguirão nada.

Juntos, conseguiremos mudar essa situação.

Segunda, Mar 18 2019

O ex-presidente Temer e o atual Bolsonaro têm um ponto em comum: sua agenda anti-trabalhador.

O governo Temer implementou a reforma trabalhista. Bolsonaro tenta emplacar a da Previdência.

A Reforma Trabalhista retirou direitos históricos e importantes dos trabalhadores.

Como era de se esperar, a categoria comerciária, sobretudo as mulheres que trabalham no comércio, foi a mais prejudicada.

O trabalho intermitente, por exemplo, paga por dia trabalhado na rede MacDonalds menos do valor de um sanduíche Big Mac.

Ambientes insalubres já não são mais obstáculos para o trabalho feminino de gestantes. 

E por aí vai.

Na época, a direção do Sindicomerciários alertou e esclareceu massiçamente à categoria sobre os riscos da aprovação daquela reforma. 

O resultado está aí. 

Mais uma vez, o Sindicato reafirma que fora da entidade o trabalhador está desprotegido. 

A reforma trabalhista foi pensada estrategicamente para acabar com os sindicatos e distanciá-los dos trabalhadores.

Mais do que nunca torna-se urgente e fundamental os trabalhadores estarem junto ao Sindicato. Se sindicalizando e fortalecendo a luta para evitar medidas ainda piores que estão por vir. 

Venha para o Sindicato. Sozinhos pouco podemos fazer. 

Vamos juntos combater os inimigos dos trabalhadores e dos nossos direitos.

Quinta, Ago 23 2018

A eleição para presidente da República foi oficialmente inaugurada. Não apenas para presidente. Em outubro também estaremos escolhendo deputados estaduais, federais, governadores e senadores. Já é tempo dos trabalhadores iniciarem um debate sobre o futuro que queremos.

Nas eleições deste ano dois projetos distintos estarão colocados: o primeiro, apoiado pela classe patronal, aprofunda os ataques contra os trabalhadores, seus direitos e os sindicatos. Pelo menos duas candidaturas estão claramente identificadas com esse primeiro projeto. 

O segundo projeto, no campo democrático e popular, defende uma política voltada aos interesses da classe trabalhadora e pedem a revogação da reforma trabalhista, que acabou com nossos direitos.

No ano passado, a aprovação da lei da terceirização e a Reforma Trabalhista foi dramática e destruidora tanto para os direitos históricos dos trabalhadores, quanto para a sobrevivência dos sindicatos e da própria Justiça do Trabalho. O governo golpista e ilegítimo de Temer e seus aliados patronais da poderosa Fiesp praticamente destruíram a CLT e promoveram o fechamento de centenas de sindicatos em todo o país. Mas Temer não estava só. Contou com a ajuda dos três senadores capixabas e da maioria dos deputados federais do estado, que votaram contra os trabalhadores. Daí a importância de estarmos atentos, também, nos parlamentares que iremos voltar.

A você, eleitor trabalhador comerciário, caberá escolher o projeto que mais lhe atende: aquele que retira ainda mais os seus direitos ou aquele projeto que não só os devolverá, bem como os ampliará. Afinal, direito não se reduz, se amplia. A reforma trabalhista já mostrou a que veio: confisco de direitos e aumento do desemprego. O único emprego que tem aumentado é o emprego precário, desprovido de direitos. Mas não adianta ficarmos reclamando. A retomada de direitos está em nossas mãos, bastando que prestemos atenção nos candidatos que estão apresentados e votemos naqueles de fato identificados com os interesses dos trabalhadores.

Votar consciente é um ato cidadão e de afirmação de luta. Para a gente não se arrepender depois.

Quinta, Ago 23 2018

Sindicalizar é um ato individual e cidadão de cada trabalhador. Um gesto de afirmação do trabalhador como agente responsável pela transformação de sua própria condição econômica e social no local em que trabalha. 

Ainda que seja agradável concorrer a prêmios, a questão de fundo na sindicalização não está em ser sorteado com produtos, por melhores que sejam. Mas em estar ligado a uma instituição que irá protegê-lo contra os desmandos patronais e de qualquer tipo de exploração por parte da empresa. 

Mais do que isso, estar sindicalizado é ter a certeza de que se pode contar com um organismo que irá lutar pelos seus direitos na Justiça, caso esse direito tenha sido ilegalmente confiscado por seu patrão, ou na Convenção Coletiva de Trabalho, por ocasião da Campanha Salarial, quando anualmente o Sindicato negocia em seu nome a manutenção dos direitos atuais e a reivindicação de novas conquistas. 

Por isso, quando o estimulamos para se sindicalizar, trata-se de um decisão que deverá ser tomada ao longo de sua vida profissional, independentemente da categoria em que se encontrar. Hoje você trabalha no comércio, portanto, nada mais natura do que e sindicalizar ao Sindicomerciários.

Mas amanhã você pode ir trabalhar na indústria, no serviço publico etc. Aí então, assim que sua Carteira for assinada você deverá procurar seu sindicato de classe para se filiar. Porque o que está em jogo é sua proteção como trabalhador e o seu crescimento profissional. Pense nisso. Sindicalize-se!

Quinta, Abr 05 2018

Não acredite em tudo que lê. A frase tão batida ainda é o melhor conselho para quem usa o WhatsApp e o Facebook com frequência. Atualmente, as duas plataformas digitais são as que mais propagam notícias e informações falsas, as chamadas ‘fake news’. Só no Brasil 100 milhões de usuários estão expostos as mais diferentes postagens maliciosas e de má-fé, que tem por intuito confundir, alarmar e até criar pânico na população. As notícias fake não tão antigas quanto a própria imprensa, que as publica por equívoco ou mesmo intencionalmente. Acontece que a internet, em particular as redes sociais, elevou o problema à enésima potência, na medida em que a sua lógica de monetização dos conteúdos publicados se dá pelo volume de "cliques", o que levou à criação de sites ou perfis dedicados exclusivamente a mentir ou distorcer informações. 

O termo se popularizou graças ao presidente Donald Trump,  cuja divulgação de notícias mentirosas foi central para sua vitória, no ano passado. No Brasil, o filho do ex-presidente Lula se transformou no dono do frigorífico JBS. A ex-presidente Dilma Rousseff tentou o suicídio ao se ver encurralada pelo impeachment. O delator Alberto Yousseff foi encontrado morto na véspera das eleições de 2014. O juiz Sérgio Moro é filiado ao PSDB. E os tucanos planejavam acabar com o Bolsa Família. Tudo notícia falsa. Fake news que poluíram as redes sociais e aplicativos.

Mais recentemente, a comoção causada pela execução da vereadora do Psol Marielle Franco e de seu motorista Anderson Pedro Gomes levou milhares de brasileiros às ruas, em atos massivos e espontâneos no Brasil e protestos fora do País. No mundo digital, o alcance do episódio também foi enorme e surpreendeu, inclusive, quem atua na área. Se a propagação da imagem de Marielle como liderança crítica às forças de segurança foi enorme, o contra-ataque também foi intenso, numa tentativa de desqualificar a trajetória militante da vereadora morta. Desde que descobriram o valor das redes sociais como instrumento da disputa política, por volta de 2013, os reacionários raramente haviam sofrido uma derrota tão fragorosa na batalha da opinião. Foi uma espécie de 7 a 1 a favor da solidariedade.

Logo no dia seguinte ao assassinato começaram a circular pelo WhatsApp áudios e fotos falsos que tentavam associar a vereadora ao crime organizado. Segundo essas fake news, Marielle teria sido casada com o traficante Marcinho VP. Na sexta-feira 16, o deputado demista Alberto Fraga, expoente da bancada da bala, deu vazão às mentiras. Em sua conta no Twitter, escreveu que a parlamentar era usuária de drogas, ex-esposa de Marcinho VP e eleita pelo Comando Vermelho.  A desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, endossou a mentira, que tem um histórico de ofensas a minorias e a “comunistas”, embarcou. A magistrada anotou que Marielle estava “engajada com bandidos” e repetiu a versão de que ela teria sido eleita pelo Comando Vermelho.

As fake news assumirão o protagonismo nas eleições de outubro. Mais do que nunca elas representam uma ameaça pulsante para o destino político/democrático da nação. Caberá ao eleitor verificar a origem daquela notícia, post, mensagem ou imagem que está compartilhando nos mais diversos meios de comunicação hoje existentes. É hora de o cidadão trazer para si a responsabilidade de fiscalizar a fonte da informação que está em seu poder para não fazer das mídias sociais, o principal terreno onde são espalhadas as fake news, uma terra de ninguém; até porque o Tribunal Superior Eleitoral e as autoridades policiais têm plenas condições de encontrar o propagador das notícias, seja por meio do endereço IP do computador, seja através de convênios que estes órgãos possuem com as gigantes da internet.

Mais do que nunca é hora de o eleitor ter a consciência do poder que tem em suas mãos: é dele o voto que elegerá os representantes responsáveis pelo destino político do país e, também, é dele a incumbência de fazer uso responsável das informações que possui ou que tem acesso. Embora esta última hipótese represente um pequeno ato, em verdade, não é; pois, neste momento pré-eleitoral o uso responsável das informações se constitui num importante ato de cidadania.

Quarta, Abr 04 2018

A reforma trabalhista não surgiu no Congresso “do nada”. Foi resultado de um projeto idealizado pelo empresariado reunido em torno da Confederação Nacional da Indústria (CNI) com o nome de "Agenda Legislativa 2017", elaborado a partir do debate entre federações da indústria e associações do comércio, bancos e empreiteiras. Esses debates resultaram nas alterações da legislação trabalhista e é a essência da Lei 13.467/17, que cria um novo marco da relação capital e trabalho, revogando, na prática, a CLT de cunho social e a substituindo por uma CLT empresarial. Transformadas em emendas legislativas e redigidas em computadores da CNI, as emendas foram entregues prontas a 20 deputados para que as assumissem como se tivessem por eles sido elaboradas.

Os ataques aos direitos trabalhistas por deputados que aceitaram se prestar ao papel de representantes de entidades empresariais não estarão em seus palanques ou santinhos nas eleições que vêm. Mas tamanha fidelidade será lembrada aos empresários nas negociatas de gabinete para acertar apoio financeiro a suas campanhas. A apresentação de emendas como contrapartida ao apoio financeiro já dado previamente ou como condição para colaborações financeiras futuras está na essência do esquema de corrupção revelado na Lava Jato e comandado pela Odebrecht. É essa relação promíscua que caracteriza o crime de corrupção. A Lei 13.467/17, que institui a reforma trabalhista, está assentada sobre esse cenário, sobretudo, criminoso.  

Terça, Abr 03 2018

O que a fortuna de Jezz Bezos tem a ver com as condições inaceitáveis de salários e trabalho dos empregados do comércio? Bezos é o CEO da Amazon. CEO é a sigla inglesa para Chief Executive Officer, que significa Diretor Executivo, a pessoa com maior autoridade na hierarquia operacional de uma organização. O chefão. Aquele que manda na parada toda. O que é a Amazon? Se você é comerciário ou comerciária e desconhece a palavra, é bom passar a se familiarizar. Porque, em algum momento da sua vida, ela lhe dirá muito, mas muito a respeito. 

A Amazon é a mais poderosa multinacional de comércio eletrônico (eCommerce) do planeta, uma gigante de 61 bilhões de dólares de receita em todo o mundo e que vende de tudo. O crescimento da Amazon tem aquecido fortemente o mercado do varejo digital e levado aos grandes conglomerados de lojas físicas – sobretudo shopping centers – a viverem seu período de acentuada decadência. 

Cada dia mais o consumidor tem substituído a compra direta pela online, mais cômoda e barata. A popularização do pacote de dados, o acesso à internet e aos smartphones cada vez mais versáteis e poderosos também têm facilitado a busca pelo consumo digital.

Não por acaso, Bezos, acaba de figurar, neste ano, na lista do homem mais rico do planeta, com uma fortuna avaliada em US$ 105,1 bilhões. 

A cada vez que o sol nasce, a fortuna de Bezos aumenta US$ 287 milhões, não se sabe se na razão diretamente proporcional do sacrifício do emprego de um trabalhador de uma loja física fechada por não dispor de mecanismos para competir com as vendas online. O fato é que o eCommerce trata-se de um desafio urgente para o movimento sindical comerciário, sobretudo no campo da Federaçao (Fetracs) e da Confederaçâo Cutista (Contracs). Esse é o debate do mundo do trabalho no setor do comércio que os anos 2020 apontam.

Quinta, Jan 25 2018

Quando se perguntar por que a eleição sem Lula é fraude, o interessante é na verdade fazer uma reflexão sobre como será uma eleição sem a presença dele. Vejamos, na curta história da democracia deste país, Lula sem dúvidas foi o presidente mais popular. Durante os oitos anos em que esteve na presidência do Brasil, Lula governou para o povo, para as minorias, para a classe trabalhadora, e isso, meus caros, afeta diretamente o orgulho ferido da elite brasileira. 

Em um cenário catastrófico como o atual, em que o presidente (Michel Temer) é simplesmente o mais rejeitado de toda a história, com apenas 3%, que suas ações atingem diretamente a população mais necessitada, a imagem de Lula surge, de forma natural. É na figura do Lula que a classe operária deposita suas esperanças para virar o jogo e construir um futuro melhor. 

Tirar do Lula a possibilidade de se candidatar é a jogada mais baixa e ardilosa manipulada pelos grandes empresários. O ex-ministro da Cultura, Juca Ferreira disse bem, “são nítidos os interesses econômicos por trás dessa fraude, assim como não dá mais para esconder o partidarismo da operação Lava Jato e da mídia corporativa, que têm o PT e o presidente Lula como alvo exclusivo”. 

Juca Ferreira afirma ainda, “a usurpação de direitos dos trabalhadores; a desregulamentação da economia; o enfraquecimento dos sindicatos; a privatização das estatais; a liberação da exploração indiscriminada dos recursos naturais e o desmonte da educação, são dimensões do processo de articulação da elite minoritária deste país”. 

Condenar Lula na maior farsa judicial de que se tem notícia, é uma tentativa sórdida e desesperada de exclui-lo do processo eleitoral – manobra que dificilmente será bem-sucedida. Afinal, o crime de Lula, na verdade, foi comandar um governo voltado para os mais pobres, um governo mais popular e soberano. E isso a Elite do país não admite, pois estão empenhados e concentrando forças para tentar condenar Lula a qualquer custo, mesmo sem nenhuma prova ou resquício de crime algum. 

Eleição sem Lula é fraude diretamente contra nós trabalhadores, pois foi em seu governo que tivemos mais empregos, mais renda, valorização do Salário mínimo e programas sociais que tiraram o Brasil da miséria. Lula representa o nosso direito a voltar a sonhar com um Brasil melhor e mais justo. Eleição sem Lula é fraude!

Segunda, Dez 04 2017

A reforma trabalhista baixada no dia 11 de novembro através da lei 13.467 aponta sua fúria devastadora para três alvos: os direitos dos trabalhadores, as organizações sindicais e a Justiça do Trabalho. Em maior ou menor grau de intensidade, a CLT patronal promove o desmonte de todas essas estruturas. Ela confisca direitos históricos conquistados pela classe trabalhadora ao longo de anos, décadas e séculos e esvazia a justiça trabalhista. Mas é no capítulo “Sindicato” que a lei promove seu maior estrago. E não é só pondo um fim ao imposto sindical. 

O alcance destruidor da reforma trabalhista sobre os sindicatos começa por privilegiar as negociações individuais, de forma a afastar os trabalhadores de sua entidade de classe e expor os empregados aos patrões, que mais facilmente poderão chantageá-los, direta ou sutilmente, com ameaça de demissão caso não aceitem propostas rebaixadas e indignas. Passa, também, pelo estrangulamento financeiro dos sindicatos.

Não parece ter dúvidas sobre o propósito das elites empresariais ao defender a reforma trabalhista. A aniquilação do movimento sindical é o caminho mais curto para o confisco puro e simples de todos os direitos e benefícios dos trabalhadores. Retirando os sindicatos do caminho, os trabalhadores não teriam quem os defendessem e lutassem por seus direitos e o resultado seria catastrófico.

Nessa conjuntura, o fortalecimento das organizações sindicais nunca se fez tão urgente. É preciso não só fortalecer os sindicatos financeiramente, mas, também, estar mobilizado junto a eles. A reforma trabalhista chegou para fazer terra arrasada dos nossos direitos e da existência dos sindicatos. Lutar contra isso, ir na contramão do golpe da CLT patronal, é tarefa urgente. O que está em jogo são nossos direitos. E apenas um sindicato forte e atuante poderá defendê-los. Matar os sindicatos é matar os direitos e benefícios do trabalhador. E isso não permitiremos.

Quinta, Ago 17 2017

 

O governo do ilegítimo presidente Temer não se notabiliza apenas por ser golpista. Mas, também, por ser cruel. Contra a sociedade em geral e os trabalhadores em particular. Pouco mais de duas semanas após ter promovido o maior desmonte dos direitos e conquistas dos trabalhadores, remetendo a relação capital e trabalho para o Brasil dos anos 30 pré-CLT, Temer e sua equipe econômica de banqueiros, com a cara mais porca e cínica do mundo, anunciam uma "ótima notícia" para os trabalhadores a Caixa Econômica Federal irá repartir 7,8 bilhões de reais nas contas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) de 88 milhões de trabalhadores.

O montante corresponde à metade do lucro do Fundo em 2016. A crueldade fica por contra da participação do trabalhador nesse lucro: a maioria (73,63%) vai receber até R$ 10 e só 0,01% das contas terá um crédito acima de 5 mil reais. "Isso é tratar o trabalhador com respeito”, disse o golpista, quando do anúncio da medida, em um ato de cinismo e escárnio. A mais nova cortina de fumaça para tentar desviar o foco das bandalheiras de seu (des)governo, que já derrapa ladeira abaixo nos índices de 5% de popularidade, acontece na mesma semana em que o governo fecha o ciclo de liberação de emendas parlamentares (R$ 3,6 bilhões) e o loteamento de cargos públicos nos órgãos federais para acomodar os pleitos de sua base fisiológica no verdadeiro balcão de negócios em que se transformou o Planalto nos últimos dias. Na completa ausência de políticas sociais consistentes e autênticas, o (des)governo que aí está vive de costurar gambiarras do tipo "me engana que eu gosto" que não se sustentam em pé.

O próprio FGTS já foi usado ano passado nessa marquetagem "sociedade trouxa", ao se promover o saldo da reserva do fundo como a salvação financeira para as famílias e os trabalhadores brasileiros. Um a um, famílias e trabalhadores foram descobrindo o engodo. Quando não tinham nada a receber, tinham como saldo o "milionário" depósito de R$ 200, estourando R$ 300. Desde o seu princípio, o (des)governo Temer vende ilusões. Isso porque, uma coisa é o político, o ser humano Michel Temer. Ele não chegou ali exclusivamente por sua vontade nem se mantém no poder apenas por que quer. Ele é uma peça em um jogo de disputa ideológica, para o qual ele se encontra a serviço do capital (ou elites, como queiram chamá-lo). No momento em que não mais interessar ao capital, a peça de reposição Temer será simplesmente substituída por outra peça que continue a manter e beneficiar seus interesses.

O "Fora Temer" nem faz coceira na luta de classes e na disputa hegemônica do poder. A disputa ideológica se dá na superestrutura do poder. No centro do capital.

 

Quinta, Ago 17 2017

 

“No caminho com Maiakóvski” é um dos poemas brasileiros mais conhecidos no exterior. Mas poucos sabem que “No caminho com Maiakóvski” é um poema brasileiro. Acham que foi escrito por Vladimir Maiakóvski. Vladimir Maiakóvski foi um poeta revolucionário russo herói que viveu entre 1893 e 1930.

“No caminho com Maiakóvski” foi escrito em 1969 pelo poeta brasileiro Eduardo Alves Costa. Eduardo Alves da Costa nasceu em Niterói e é vivo até hoje. “No caminho com Maiakóvski” diz assim: “Na primeira noite eles se aproximam e roubam uma flor do nosso jardim. E não dizemos nada. Na segunda noite, já não se escondem: pisam as flores, matam nosso cão, e não dizemos nada. Até que um dia, o mais frágil deles entra sozinho em nossa casa, rouba-nos a luz, e, conhecendo nosso medo, arranca-nos a voz da garganta. E já não podemos dizer nada.” E é essa narrativa que nos interessa. Recapitular o que aconteceu no país em um passado recente: o golpe Para explicar o presente.

E o que podemos entender como a volta do Brasil à "remiséria", se é que o termo existe. Pegando emprestada a narrativa do poema, remontaria a seguinte cronologia: Primeiro eles decidiram dar um golpe na presidente Dilma e promoveram o impeachment E não dizemos nada Em seguida, escancararam: Congelaram os investimentos sociais do país por 20 anos, cortaram recursos para a saúde e educação Aprovaram a lei da terceirização E, apesar da resistência dos sindicatos, o restante do país não disse nada Até que um dia, Aprovaram a reforma trabalhista que promoveu o desmonte do modelo sindical e da Justiça do Trabalho Confiscou direitos e conquistas historicamente consagrados Precarizaram ao máximo os empregos Remeteram a força de trabalho ao período pré-CLT, pré-anos 30 Devolveram o país ao Mapa da Fome, três anos após ter dele oficialmente saído por conta das políticas sociais do governo Lula E após fazerem tudo isso, Conhecendo nossa apatia Lançaram um candidato "salvacionista" à presidência da República Um candidato "antipolítico" Um candidato "contra tudo isso que aí está" E o elegeram Os mesmos que articularam, pela ordem, golpe, corte de investimentos, lei da terceirização e reforma trabalhista, querem eleger um novo "salvador da pátria" neoliberal para aprofundar no Brasil um modelo de capitalismo fundamentado em uma economia de mercado agressiva.

Que privilegia os ganhos de capital em detrimento da proteção e da justiça social. E transforma o trabalhador e a sociedade em meras ferramentas para o acúmulo do lucro de seus negócios e o enriquecimento pessoal. Romper a narrativa brilhante e dramaticamente descrita pelo poema de Eduardo Alves da Costa será o maior desafio do movimento sindical e da sociedade brasileiro nos obscuros períodos que nos aguardam. Mas que saberemos enfrentá-los e vencê-los. Vencê-los como que embalados pelos belos versos da canção do mineiro Beto Guedes, "Sol de primavera", um mensagem de otimismo que diz assim: "Já choramos muito Muitos se perderam no caminho Mesmo assim não custa inventar Uma nova canção Que venha nos trazer Sol de primavera Abre as janelas do meu peito A lição sabemos de cor Só nos resta aprender" A luta continua, companheiros!

 

Pagina 1 de 7

Denúncias

Se você está sofrendo qualquer tipo de abuso no seu local de trabalho, o Sindicato sempre será o seu maior aliado!

Informativos



Siga-nos nas redes sociais

Receba nossas notícias