PEC da Previdência mostra de que lado está Bolsonaro: contra o povo brasileiro

Ainda pior que a de Temer, PEC prevê aposentadoria de 65 anos para homens e mulheres e trabalhador será obrigado a abrir capitalização que joga toda a responsabilidade na mão do contribuinte.

A proposta de Bolsonaro para a reforma daPrevidência ainda está sendo formulada, mas alguns dos pontos mais cruéis da mudança na aposentadoria do trabalhador já começam a ser revelados. Um deles é a sugestão de idade mínima de 65 anos para homens e mulheres e a obrigatoriedade da capitalização, que responsabiliza somente o próprio empregado a garantir seus rendimentos futuros.

A informação foi divulgada pelo jornal Estadão e confirmada por membros da equipe econômica do governo – o texto final da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) deve ser apresentado até o fim de fevereiro. Para se ter ideia, nem mesmo o golpista Temer, notório por atacar os direitos do povo brasileiro, teve a audácia de sugerir tamanhos retrocessos e previa a idade mínima sugerida para homens aos 65 anos e para mulheres, 62.

Outro temor da população brasileira é que Bolsonaro acabe com a aposentadoria por tempo de contribuição, fato que o atual mandatário do Palácio do Planalto já deu carta branca para que seja colocada em prática.  Conforme a proposta revelada pelo jornal,  o tempo mínimo de contribuição saltará de 15 para 20 anos e quem solicitar o benefício neste quesito terá direito à somente 60% da aposentadoria. Para chegar aos 100%, é preciso trabalhar por mais duas décadas, o que resulta em 40 anos de contribuição.

Capitalização nefasta

Na proposta de Bolsonaro, o sistema de capitalização será de "caráter obrigatório" nos mesmos moldes usados no Chile, país que o ministro Paulo Guedes usa como referência de "modelo bem sucedido". O problema é que no país, a aposentadoria como está já se mostrou um desastre.

Implementado nos anos 1980, durante a ditadura Pinochet, a previdência chilena hoje está sendo criticada pela população e por economistas, pois é muito baixa. O governo de centro-direita de Sebastián Piñera estuda proposta para elevar os descontos mensais dos salários dos trabalhadores, de modo que eles possam receber mais quando se aposentarem.

O sistema de capitalização implementado no governo de Pinochet levou milhões de idosos a viverem na pobreza, com 90% dos aposentados recebendo metade de um salário mínimo. Quem sai ganhando, na verdade é o sistema financeiro, já que mais pessoas acabarão buscando alternativas no setor privado para compensar a destruição do sistema público.

Da Redação da Agência de notícias

Lido 167 vezes
Avalie este item
(0 votos)
Publicado em Destaques

Denúncias

Se você está sofrendo qualquer tipo de abuso no seu local de trabalho, o Sindicato sempre será o seu maior aliado!

Informativos



Siga-nos nas redes sociais

Receba nossas notícias