Imprensa Sindical

Imprensa Sindical

Quinta, 14 Novembro 2019 19:23

Troco Estadual.

Segunda, 11 Novembro 2019 21:39

Há dois anos, o Brasil retrocedia sete décadas em direitos para a classe trabalhadora. Temer operou para favorecer os interesses do mercado e fez um verdadeiro desmonte de direitos e garantias que precarizou a vida dos trabalhadores e trabalhadoras no Brasil.

A lógica foi a mesma de sempre: retirar direitos daqueles que estão na base para aumentar o lucro daqueles que estão no topo.

O resultado está aí pra quem quiser ver: os empregos prometidos não vieram e a tal "reforma" só causou o aumento da desigualdade social, perda de renda para a classe trabalhadora e ampliação da informalidade da força se trabalho.

Bolsonaro e Paulo Guedes não só deram continuidade a essa política, como a aprofundaram. Retiraram o direito de aposentadoria do povo, entregam o patrimônio brasileiro e desmontam o Estado.

Resistiremos! Nenhum direito a menos para trabalhadores e trabalhadoras!

Sexta, 19 Julho 2019 17:48

Troco Estadual

Segunda, 04 Novembro 2019 20:41

O Sindicomerciários conquistou um grande avanço inédito este ano para os comerciários capixabas, garantindo uma Convenção Coletiva de Trabalho com duração de (dois anos) até 2021.

E um reajuste salarial de 3% este ano, já o piso da categoria foi para R$ 1.143,93, remuneração de R$ 83,20 para trabalho em feriados, tendo que serem pagos (em espécie) ao final do expediente do dia trabalhado.

Além da manutenção de todos os benefícios sociais (plano ambulatorial gratuito, odontológico, seguro de vida e muito mais). Em novembro de 2020, todas as cláusulas econômicas serão automaticamente reajustadas pelo INPC(Índice Nacional de Preços ao Consumidor). Uma segurança e tanto para a categoria comerciária em um cenário de desemprego em massa, ataques a direitos e desvalorização salarial.

Nada disso veio de graça ou de mão beijada pelos patrões. Mas resultado de muita luta da direção do Sindicomerciários.

Sexta, 01 Novembro 2019 20:54

A informalidade continua a bater recordes. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio, do IBGE, divulgada quinta (31), aponta que o Brasil tem 93,8 milhões de pessoas empregadas, das quais 38,8 milhões (41,4%) estão na informalidade. O total de trabalhadores por conta própria é de 24,4 milhões, alta de 1,2% (293 mil pessoas). Há 11,8 milhões sem Carteira assinada, ou seja, 2,9% (338 mil pessoas) a mais com relação ao trimestre encerrado em junho. Também cresce a subocupação. A taxa subiu 37% no último ano. Das 2,4 milhões de vagas criadas nos últimos 12 meses, 892 mil foram ocupadas por pessoas que trabalham menos do que gostariam, em contratos precários ou sem qualquer forma de abono.

Segundo o presidente do Sindicato dos Economistas do Estado de São Paulo, Pedro Afonso Gomes, a situação reflete a estagnação econômica do País. "Quando temos um exército de desempregados, a situação é essa. O cidadão se sujeita a qualquer ocupação ou remuneração para sobreviver", observa.

Renda - A pesquisa revela que o rendimento médio dos subocupados era de R$ 826,00 no segundo trimestre, abaixo do salário mínimo de R$ 998,00 e equivalente a 36% da renda média dos trabalhadores em geral, que é de R$ 2.290,00.

Perda - Para o economista, há um leilão de vagas onde todos perdem. "Se a pessoa não aceitar, outra aceita, porque o desemprego é grande e as empresas estão demitindo os mais experientes pra contratar pessoas mais novas e menos qualificadas, com menores salários. Perde o trabalhador e perde o empregador", alerta.

Outro fator destacado por Pedro Afonso é a nova legislação trabalhista, que estimula a informalidade. Ele afirma: "A reforma trabalhista permite que o trabalhador aceite flexibilizar seus direitos. O próprio funcionário acaba entrando num acordo com o patrão, abre mão de garantias, como Piso salarial, e outras. É uma situação grave".

Economia - A subocupação acaba retroalimentando a morosidade da economia, alerta Pedro Afonso Gomes. "Quem trabalha menos tem renda menor, contribui para a redução do consumo e isso se reflete diretamente na economia local. É um efeito em cadeia, que atinge toda a sociedade. Quem não tem renda não consome. Afeta o patrão e o empregado", critica.

Na avaliação do economista, a saída é a retomada do crescimento, não está prevista para os próximos anos. "Enquanto a economia não andar, a situação não muda. Por isso, é fundamental um pacto entre setor empresarial e trabalhadores. Se depender de governo, não há perspectiva de retomada do desenvolvimento", conclui.

Mais - Acesse o site do IBGE ou a pesquisa do PNAD.

Terça, 15 Outubro 2019 20:21

Cerca de 52,1 milhões de postos de trabalho – mais da metade dos empregos formais e informais no Brasil (58,1%) – podem ser substituídas por máquinas nos próximos dez a 20 anos. É o que aponta um estudo da consultoria IDados, que cruza a base de dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) Contínua do IBGE com um estudo da Universidade de Oxford. A pesquisa separa as ocupações em faixas de risco de automação.

Conforme o estudo elaborado pelo economista Bruno Ottoni e pelo matemático Paulo Rocha e Oliveira, o número refere-se aos empregos classificados na faixa de "risco alto" (maior do que 70%) de serem exercidos de forma automatizada nas próximas décadas por tecnologias já existentes. São geralmente as ocupações que não demandam originalidade e criatividade para serem exercidas, além de não exigirem relações socioemocionais e certas habilidades motoras.

Um exemplo bem acabado dessas profissões ameaçadas é a condução de automóveis, táxis e caminhonetes (98% de probabilidade de automação), tarefa que tende a ser substituída por carros autônomos, como os famosos veículos da Waymo – a divisão de automóveis sem motorista do Google. Também estão na lista cobradores, entrevistadores de pesquisa de mercado, balconistas de serviços de alimentação e garçons.

Os empregos que demandam originalidade e criatividade, além das mencionadas habilidades socioemocionais, seriam os mais blindados. Com baixo risco de automatização estão 22,8% dos empregos hoje existentes no país, o correspondente a 20,5 milhões de vagas. Outros 19,1% dos empregos são classificados de risco médio de automação – são cerca de 17,1 milhões postos de trabalho.

Das vagas com pouco risco de serem ocupadas por máquinas estão gerente de hotéis, psicólogo, engenheiro químico, advogados, juristas e veterinários. "O gerente de hotel, por exemplo, precisa da habilidade de se relacionar com funcionários e hóspedes. Um robô não substitui esse contato", diz o economista Bruno Ottoni, pesquisador do IDados, acrescentando que a lógica vale para outros cargos gerenciais.

Os autores alertam que fatores políticos e econômicos podem impedir que o potencial de automação calculado no estudo seja totalmente realizado. Um fator econômico é o custo da mão de obra brasileira. "O salário no Brasil é relativamente baixo e isso pode tornar menos atraente para um empresário investir na substituição do empregado pelo trabalho da máquina", afirma o economista, acrescentando que os custos de importação de equipamentos não são triviais.

No campo político, os exemplos de interferência sobre a automação de empregos são mais abundantes. Um notório é o frentista de posto de combustível. Quem viajou para Europa e Estados Unidos sabe que essa é uma profissão rara. No Brasil, a Lei 9.956/2000, de autoria do então deputado do PCdoB-SP, Aldo Rebelo, proíbe o funcionamento de "bombas de autosserviço operadas pelo próprio consumidor nos postos de abastecimento de combustíveis, em todo o território nacional".

Outro exemplo vem do Rio de Janeiro. O sindicato das empresas de ônibus da cidade, a Rio Ônibus, precisou ingressar com uma ação judicial para suspender os efeitos da Lei Municipal 6.304/2017, que determinava a volta dos cobradores aos ônibus da cidade. O avanço de pagamentos do bilhete por meio de cartões vem permitindo a substituição dos cobradores. Uma parte residual das vendas de bilhetes passou a ser exercida pelos motoristas dos ônibus, que acumularam as funções.

Os economistas costumam afirmar que a automação cresce desde a revolução industrial – mas nem por isso os empregos acabaram. "O tipo de trabalho muda, mas o trabalho não acaba", afirma Ottoni. Por isso mesmo, os autores veem a criação de barreiras como uma forma equivocada de lidar com a ampliação da capacidade da máquina de substituir o trabalho humano. Eles sugerem preparar o capital humano para as novas ocupações que irão surgir, sobretudo em áreas como cibersegurança e big data.

A rede de lanchonetes Bob's vem instalando máquinas de autoatendimento em suas franquias desde 2014. Os equipamentos substituem os tradicionais atendentes de caixa e têm permitido reduzir as filas no atendimento, além de terem elevado o ticket médio de vendas em 25% nos últimos anos. Parte dos empregos reduzidos nos caixas teria sido compensada, mesmo que parcialmente, na própria loja e também na área administrativa da rede de fast food.

"A jornada digital criada pelas máquinas de autoatendimento criou vagas na empresa para desenvolvedores e programadores. Parte do pessoal do caixa também foi parar na frente da loja para receber os clientes como anfitriões. Os consumidores gostam desse contato pessoal, de se sentirem acolhidos", diz Antonio Detsi, diretor-geral da rede Bob's, acrescentando que 70% das 700 lojas (próprias e franqueadas) contam com totens de autoatendimento.

O avanço tecnológico gerou demanda por novos tipos de trabalho. Para preencher parte dessas lacunas de formação de mão de obra, a Fundação Getulio Vargas (FGV) criou neste ano o curso de graduação em Ciência de Dados no país. Oferecido pela Escola de Matemática Aplicada (Emap), o curso terá tópicos como aprendizado de máquinas, modelagem estatística aplicada, criptomoeda, big data. No vestibular que acontece neste mês serão preenchidas 40 vagas. Este número deverá crescer para 80 vagas em 2021.

Diretor da Escola de Matemática Aplicada da FGV Rio, o matemático César Camacho diz que o curso surgiu a partir da constatação de que o mercado de trabalho demanda cada vez mais pessoas com essa formação. Nos EUA, há diversos cursos de graduação de ciência de dados presenciais e on-line. "Os americanos estão conscientes de que o emprego vai nessa direção. Além de formar pessoas de forma massiva nessa área, eles também estão investindo pesadamente em pesquisa", disse Camacho.

Por ter levado em conta referências internacionais de automação, o levantamento permite a comparabilidade com outros países em desenvolvimento. Em geral, a proporção de empregos automatizáveis tende a ser negativamente relacionada com o grau de desenvolvimento de cada país. A proporção, por exemplo, é menor na Suécia, Reino Unido, Estados Unidos, Irlanda, Holanda, Bélgica, Dinamarca, para citar apenas alguns.

O Brasil está um pouco "melhor" nesse ranking do que vizinhos como Paraguai e Argentina. Mas os países com indicadores próximos ao brasileiro são variados em termos de desenvolvimento, como Portugal, Mongólia e Chipre. "Nossos indicadores mostram que existe uma relação negativa entre a proporção de empregos automatizáveis e o grau de desenvolvimento de cada país, considerando o produto interno bruto per capita", afirma Ottoni.

Com informações do Valor Econômico

Quarta, 09 Outubro 2019 17:48

Senado evita regra mais rígida para trabalhador ter direito ao PIS-PASEP do INSS. O Senado retirou da reforma da Previdência o trecho que criaria um critério mais rígido para o trabalhador ter direito ao abono do PIS, espécie de 14º salário pago a trabalhadores de baixa renda e com carteira assinada. Atualmente, quase 22 milhões de brasileiros recebem o benefício. 

O projeto original da reforma proposta pelo governo previa reduzir a renda máxima que dá direito ao abono para R$ 1.364,43, mas um destaque aprovado no plenário do Senado manteve a exigência atual, que garante o abono anual para o trabalhador formal que ganha, em média, até dois salários mínimos (o que dá R$ 1.996, atualmente).

REFORMA DA PREVIDÊNCIA É APROVADA EM PRIMEIRO TURNO NO SENADO

A PEC da Previdência prevê aposentadoria por idade de 62 anos para mulheres e 65 anos para homens (vale para novos segurados e trabalhadores que não se encaixarem em uma das regras de transição)

O plenário do Senado aprovou na noite de terça (1º) o texto principal; votação em segundo turno está prevista para 15 de outubro

Com isso, a previsão de economia com a reforma da Previdência foi reduzida em R$ 76,4 bilhões em dez anos. Assim, o impacto fiscal previsto com a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) passa para R$ 800,3 bilhões em uma década.

A reforma da Previdência saiu da Câmara com uma projeção de corte de gastos de R$ 933 bilhões em dez anos. A versão original, enviada pelo governo em fevereiro, previa uma redução de R$ 1,2 trilhão nas despesas.

Segundo a Caixa Econômica Federal, o volume total de pagamentos do benefício referente a 2019/2020 chegará na casa dos R$ 16 bilhões. São Paulo é o estado com mais beneficiários do abono salarial, quase 6 milhões de pessoas. 

Têm direito ao abono salarial o trabalhador que está inscrito no PIS há pelo menos cinco anos e que tenha trabalhado formalmente por, no mínimo, 30 dias em 2018. 

A remuneração média mensal não pode ter sido maior do que dois salários mínimos. O valor pago é proporcional ao número de meses trabalhados podendo chegar a um salário mínimo (R$ 998).

A grana é liberada de acordo com o calendário da Caixa, que varia com o mês do aniversário do trabalhador. O saque é feito em lotéricas e nos postos de atendimento da Caixa.

Para saber mais sobre o PIS, é preciso  clicar em "consultar pagamento" no site  www.caixa.gov.br/PIS ou ligar 0800-7260207. 

ABONO SALARIAL | VEJA QUEM TEM DIREITO E COMO RECEBER 

Têm direito ao abono salarial o trabalhador que está inscrito no PIS há pelo menos cinco anos e que tenha trabalhado formalmente por, no mínimo, 30 dias em 2018

A remuneração média mensal da pessoa não pode ter sido maior do que dois salários mínimos

Atualmente quase 22 milhões de brasileiros recebem o benefício, que paga 16 bilhões de reais no total 

Quanto receberei? 

O valor pago é proporcional ao número de meses trabalhados e pode chegar a um salário mínimo (R$ 998) 

Quando receberei? 

Ele é pago de acordo com o Calendário de pagamento do Abono Salarial 2019/2020 e varia de acordo com o mês do seu aniversário 

Como sacar o dinheiro? 

Para beneficiários do PIS que têm Cartão do Cidadão, é possível sacar a grana nas lotéricas, em pontos de atendimento Caixa Aqui ou caixas eletrônicos da Caixa.

Quem não tem o Cartão do Cidadão pode retirar o valor em qualquer agência da Caixa, com documento. A grana é referente ao calendário de 2019/2020; o prazo para resgate vai até 30 de junho de 2020.

Como consultar se tenho tem direito?

No celular: Aplicativo Caixa Trabalhador (gratuito e disponível para Android e iOS)

Na internet: www.caixa.gov.br/PIS (Clique em "Consultar pagamento")

Por telefone: 0800-7260207

Quarta, 09 Outubro 2019 17:45

Desde domingo (6), é grande a movimentação no Ginásio Falcão, na Praia Grande, onde está sendo realizado o 13º Congresso Nacional da CUT "Lula Livre" – Sindicatos Fortes, Direitos, Soberania e Democracia. Os mais de dois mil sindicalistas de diversas regiões trouxeram em suas bagagens os desafios e as perspectivas de luta por direitos de trabalhadores e trabalhadoras de todos os cantos deste país.

Como na época de sua fundação, a classe trabalhadora, a CUT e o movimento sindical vivem uma série de ataques, tanto institucionais e trabalhistas quanto sociais e econômicos. E se não bastassem, precisam pensar a organização dos trabalhadores na diversidade regional, nas demandas de cada categoria, nas transformações do mundo do trabalho, nas mudanças na legislação que precarizaram as condições de trabalho, além da realidade política de cada local.

O Portal CUT entrevistou diversos dirigentes das mais variadas categorias das cinco Regiões do país para ouvir  quais são os desafios que têm de enfrentar para defender a classe trabalhadora.

Movimento sindical

O Secretário de Organização da CUT Brasília, Douglas de Almeida Cunha, disse que o principal debate da Região Centro-Oeste e de todo o movimento sindical brasileiro são os ataques que contra os direitos da classe trabalhadora e contra as entidades sindicais.

"São ataques que visam destruir o meio sindical que é o legítimo representante e escudo de proteção do trabalhador para conseguirem destruir direitos conquistados com muita luta", afirmou.

Segundo ele, é muito importante se apropriar das discussões deste encontro para sair daqui mais forte e preparado para o que vem por aí com o governo de Jair Bolsonaro (PSL) e os governos ultraliberais que estão espalhados pelo país.

"Aqui no Congresso iremos fazer debates sobre o financiamento sindical, a reestruturação e a solidariedade entre os sindicatos e a expectativa é que possamos construir um novo cenário nesta conjuntura", afirma Douglas.

O dirigente disse que espera levar daqui propostas de ações para avançar nas negociações coletivas, nas representações nos locais de trabalho, nas questões de mulheres, racial, LGBT e juventude "para que possamos trabalhar de acordo com a realidade da sociedade e aplicar estas propostas diversas nos acordos coletivos de trabalho".

Pauta das mulheres e educação

A professora e militante da Marcha Mundial das Mulheres da capital federal, Thaisa Magalhaes, contou que o coletivo de mulheres da CUT de Brasília se organizou para trazer o debate nacional no 13º CONCUT a questão das trabalhadoras, como a criação de mecanismos de acolhimento para mulheres que possam ter sofrido algum tipo de violência, moral, sexual ou física no trabalho, inclusive dentro dos sindicatos.

Ela destaca que quando se fala em perda de direitos e a luta por uma sociedade que seja democrática e libertadora necessariamente deve-se passar não só por criar empregos, mas pela luta por igualdade, combate às opressões e defesa de uma educação libertadora e crítica.

"A direita entendeu a estratégia da educação e isso a gente vê com avanço da militarização das escolas e da escola sem partido, que internaliza a censura e a proibição da gente poder construir uma sociedade que pensa e que lute contra opressão de gênero e por uma sociedade igualitária. Estou na torcida de que este Congresso se concentre no debate de políticas e a gente saia daqui mais fortes para lidar com os desafios do próximo período", concluiu a brasiliense.

Exclusão social, comunicação, cultura e diversidade

Ainda em relação ao Centro-Oeste, o presidente da CUT Goiás, Mauro Rubem, cita a questão do endividamento público do país, "que massacra e acaba com a vida do povo brasileiro e exclui a população de forma cruel" de serviços em áreas fundamentais como saúde e educação, programas de habitação popular e até combate à fome.

Para ele é fundamental que a CUT assuma uma campanha sobre o tema para que esta realidade seja alterada.

Sobre a questão sindical, ele aponta três aspectos importantes que, no seu estado, os trabalhadores e as trabalhadoras da CUT têm tratado.

"Diante do esfacelamento e da pulverização nós temos que construir politicamente nossa ação sindical unitária, temos que ter uma política de comunicação para nos comunicar com 200 milhões de pessoas e nacionalizar a TVT e precisamos tratar da questão cultural, para inclusive mostrar que esse país não é como a direita está mostrando, fascista, homofóbico, que chega ao ponto de excluir o trabalhador", afirmou Mauro.

"Nós esperamos que as experiências boas que aqui aparecerem nós possamos levar para Goiás, mas a unidade política é a expectativa maior, sem esta unidade entre nós nada funciona", concluiu o dirigente.

Políticas locais, unidade da esquerda e financiamento sindical

A secretária de Comunicação da CUT Santa Catarina, Adriana Maria Antunes de Souza, afirma que os catarinenses vivem as mesmas políticas de Jair Bolsonaro (PSL), porque o governador Carlos Moisés, do mesmo partido, tem a mesma linha política neoliberal do governo federal.

"A gente fez muita discussão de como a CUT em Santa Catarina vai se posicionar e fazer o enfrentamento para essa política neoliberal que ataca os direitos dos trabalhadores e isso com certeza está acontecendo também em outros estados", destaca.

Santa Catarina, segundo ela, também é o estado/berço do dono da Havan e empresário Bolsonarista, Luciano Hang, que ela chamou de "velho da Havan" e apontou como saída à unidade da esquerda no estado no sentido de resistir e enfrentar os desafios.

"O trabalhador e a trabalhadora são ameaçados, com sentimentos de obrigação de servir porque sentem que o patrão está fazendo um favor de dar empregos e é sentimento muito forte que vem sendo disseminado pelos empresários em Santa Catarina"

Segundo a dirigente, a CUT tem a obrigação de fazer o enfrentamento e com, a unidade da esquerda no estado, ela considera que será menos difícil.

E olhando para dentro da CUT, Adriana disse que "as expectativas que a gente tem, enquanto Central Única dos Trabalhadores são os direcionamentos e uma clareza de estratégia de como a gente avança para essa questão além das nossas bases", se referindo ao eleitorado desta política neoliberal, mas que nem sempre são defensores desta política.

Adriana também destaca a preocupação sobre a questão financeira dos sindicatos, mas afirma que o financeiro não pode ser maior que a política da entidade. 

"Nós temos que apontar para os dirigentes sindicais CUTistas que a questão financeira é importante, e é um problema que teremos que enfrentar, mas que a principal questão está naquilo que temos que construir politicamente com a sociedade, com os trabalhadores, com os desempregados e assim por diante", conclui Adriana.

Legados do golpe, resistência, luta e futuro

Com o golpe de 2016, quando a presidenta Dilma Rousseff (PT) foi destituída, o Nordeste foi uma das Regiões que mais sofreu os impactos, afirmou o presidente da CUT Pernambuco, Paulo Rocha. Segundo ele, Recife antes do golpe, por exemplo, vivia em pleno emprego e agora a fome volta a assombrar os pernambucanos.

Além disso, ressalta Paulo, "a nossa expectativa é o que vamos construir de projeto de desenvolvimento para todas as regiões para eliminar a pobreza não só no Nordeste, mas de todo país. E também como vamos organizar este novo mundo do trabalho, porque se não tivermos devidamente preparados vamos sofrer muito".

"A gente tem que aprender a conviver com tudo isso pra, mas precisamos ter políticas e é por isso que a gente está aqui, para construir essas políticas", destacou Paulo Rocha.

Falando em futuro, a presidenta da CUT Rio Grande do Norte, Eliane Bandeira, disse que, com os ataques aos direitos trabalhistas e mudanças do mundo do trabalho, é preciso uma nova estratégia, é preciso se reorganizar e fortalecer o movimento sindical.

"A nossa principal bandeira é se reinventar para enfrentar esta conjuntura e pensar estratégias de organização para este novo modelo de trabalho, que está à nossa frente. Esse é o grande desafio", afirma Eliane.

A presidenta da CUT Rio Grande do Norte disse que esta realidade do novo modelo de trabalho e as novas tecnologias não são desafios apenas dos trabalhadores e trabalhadoras brasileiras, "isso é no mundo".

"Isso já acontece em vários lugares do mundo e a gente precisa saber como os representantes dos trabalhadores e das trabalhadoras destes países enfrentam estes desafios e a gente pensar junto com eles. E eu fiquei muito feliz de ver isso aqui, no primeiro dia de Congresso", contou.

"E para meu estado eu pretendo levar as perspectivas de construção do futuro do mundo sindical e de enfrentamento às políticas neoliberais deste governo. E a gente estava precisando se energizar com sindicalistas de todo país e do mundo para levar na bagagem disposição de luta e neste momento é muito importante".

Desindustrialização

Em São Paulo, a CUT foi ouvir o interior do estado para conhecer as demandas dos trabalhadores e das trabalhadoras e um dos desafios da Região. Uma das principais demandas, segundo a secretária de Comunicação da Central do Estado, Adriana Magalhães, é a desindustrialização.

Símbolo da industrialização do país, o ABC Paulista, tem tido, nos últimos períodos, a queda do Produto Interno Bruto (PIB), o aumento do desemprego e fechamento de montadoras. Além disso, pontua Adriana, o setor de serviços de plataformas tem aumentado e "temos a necessidade de termos uma mudança estatutária para que possamos olhar as cooperativas e associações de trabalhadores que surgem a partir dessas novas demandas para fortalecer a CUT e o movimento sindical".

Juventudes: negra e do campo, meio ambiente e soberania

A Região do Norte, mas especificamente no estado do Pará, aponta o secretário de Formação da CUT no estado, Moisés Souza Santos, tem uma pauta fundamental que é a defesa da Amazônia. Para ele, a maior floresta tropical do planeta está muito visada para este governo, se referindo a subordinação de Bolsonaro com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e sua ligação com o agronegócio.

"Temos que defender nossa Amazônia para o bem do clima e também em defesa da soberania e das próximas gerações", destacou Moisés, que é membro do Coletivo Nacional da Juventude.

Ele também alerta sobre a importância de se discutir sobre a criminalização da juventude, negra, periférica e do campo.

Ele denunciou o aumento de morte no campo e do uso do agrotóxico e afirmou que a juventude está desamparada, quando se fala em políticas públicas como esporte, lazer, saúde e educação.

"Nós jovens estamos com uma dificuldade muito grande nessa questão de educação, porque o governo cortou vários benefícios da educação e nós do campo somos mais prejudicados. O jovem do campo sem bolsa de ajuda de investimento não consegue permanecer na universidade", destacou Moisés.

Sobre o Congresso, Moisés disse que este é o momento de fortalecimento da CUT, porque "a gente vai discutir nossos objetivos, colocar nossos desafios para fora e juntos descobrirmos o mecanismo um caminho para solucionar esses nossos desafios. Vamos deste momento ruim, dar a volta por cima até a governar este país, para que nossas políticas públicas voltem e toda juventude e toda classe trabalhadora possam ser feliz de novo".

Denúncias

Se você está sofrendo qualquer tipo de abuso no seu local de trabalho, o Sindicato sempre será o seu maior aliado!

Informativos



Siga-nos nas redes sociais

Receba nossas notícias