Clipping
Edital (Sexta, 26 Julho 2019 09:20)
Troco Venda Nova do Imigrante (Sexta, 19 Julho 2019 18:11)
Troco São Mateus (Sexta, 19 Julho 2019 18:11)
Troco São Gabriel da Palha (Sexta, 19 Julho 2019 18:10)
Troco Nova Venécia (Sexta, 19 Julho 2019 17:49)
Troco Linhares (Sexta, 19 Julho 2019 17:47)
Troco Guaçuí (Sexta, 19 Julho 2019 17:46)
Troco Guarapari (Sexta, 19 Julho 2019 17:42)
Troco Colatina (Sexta, 19 Julho 2019 17:39)
Troco Cachoeiro (Sexta, 19 Julho 2019 17:37)
Troco Aracruz (Sexta, 19 Julho 2019 17:36)

Informalidade no trabalho faz Brasil perder R$ 382 bilhões em arrecadação

O Brasil deixou de arrecadar, em 2018, cerca de R$ 382 bilhões em tributos devido à economia informal, o equivalente a 5,6% do Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com levantamento realizado pela economista Vilma da Conceição Pinto, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV).

Os dados mostram que a perda de arrecadação com a informalidade avançou, em relação a 2017,  em decorrência da grave recessão e da lenta recuperação da economia, em que crescem apenas postos de trabalho sem proteção legal, ou seja, informais.

Só no início deste ano, o IBGE apontou um recorde de 11,2 milhões de empregados sem carteira assinada, outros 23,3 milhões autônomos e 6,2 milhões de trabalhadores domésticos, sendo que menos de um terço com carteira assinada.

Em entrevista à jornalista Marilu Cabañas, da Rádio Brasil Atual, o diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, explica que o aumento no número de postos de trabalho informais tem uma repercussão negativa sobre o governo federal, estadual e municipal, que deixam de arrecadar com a falta de registros das empresas, além de causar impactos também na Previdência Social, que perde em contribuições. Segundo Clemente, com uma política mais voltada ao crescimento econômico e à formalização trabalhista, o governo não teria dificuldade em financiar o regime previdenciário.

"O governo olhando para esse problema, ao invés de retomar o crescimento e recuperar a receita da Previdência, faz um projeto para arrochar direitos dos trabalhadores, cortando benefícios, tirando a proteção previdenciária especialmente daqueles que têm os menores rendimentos", critica em referência à "reforma" da Previdência que tramita no Congresso e que, de acordo com o diretor técnico, deve agravar ainda mais esse cenário de perdas econômicas no Brasil.

Lido 99 vezes
Avalie este item
(0 votos)
Publicado em Notícias Gerais

Denúncias

Se você está sofrendo qualquer tipo de abuso no seu local de trabalho, o Sindicato sempre será o seu maior aliado!

Informativos